Em 2020 eu pude ser feliz, apesar do contexto de dificuldades da pandemia. Porém, tive uma sensação de falta de direção em vários momentos, o que não foi agradável. Mas foi uma sensação natural, porque 2020 foi o primeiro ano sem a empresa que fundei e trabalhei por 11 anos da minha vida, a Plataformatec.

2020 foi também o ano que comecei um período sabático, o que marcou o início de uma jornada de transição pra mim.

No livro "Transitions: Making Sense Of Life's Changes", o autor descreve uma transição em três grandes etapas: um término, a zona neutra, um novo começo. Na zona neutra, você para por um tempo as atividades comuns da sua antiga rotina. É nesse lugar que existe a oportunidade de você expandir sua consciência, de modo que você depois possa enxergar a realidade sob uma nova perspectiva.

Porém é também na zona neutra que você sente uma sensação de vazio. Você não é nem aquela pessoa de antigamente, nem a pessoa que você ainda vai se tornar. Você está no meio, é quase um limbo. É um período muito engrandecedor, de epifanias. Mas também de preocupações e ansiedades.

Eu quero aproveitar ao máximo a minha zona neutra, não quero sair correndo dela. Mas também sinto que já posso começar a descobrir novas camadas do meu novo eu. E para integrar o mundo prático dentro disso tudo, resolvi pensar deliberadamente sobre minhas metas para 2021.

Em relação a metas, no passado já me perguntaram o que acho delas. Ter metas é bom? Pode ser, elas ajudam a te mover. Ter metas é ruim? Pode ser também, elas podem te fazer pensar que você só ficará satisfeito quando bater a meta, e te privar de apreciar a jornada. A verdade é que acho que podemos usar metas de modo que elas mais nos ajudem do que nos atrapalhem.

Por exemplo, não gosto de pensar em metas como ferramenta para definição de sucesso. Mas acredito que elas podem trazer clareza para as direções que você quer tomar. E tenho investido tempo nisso, em trazer clareza para as direções que quero tomar na vida.

Uma das pessoas que tem me influenciado sobre como pensar em metas é o Khe Hy. E resolvi fazer um exercício que ele propôs sobre metas, o exercício é o seguinte:

Suponha que seja 1º de janeiro de 2022. Você teve um excelente 2021. Escreva uma carta do seu eu futuro descrevendo como foi esse ano.

A ideia é que essa carta lhe faça refletir sobre as coisas que importam para você. Após desenvolver esse auto-conhecimento, você pode então usá-lo para definir as suas metas para o ano.

Abaixo segue a carta que o meu eu futuro de janeiro 2022 teria escrito pra mim, descrevendo como foi o meu ano de 2021.

Como é um texto bem pessoal, fiquei na dúvida se eu deveria publicar, não sabia se teria valor para outras pessoas. Porém eu já tinha escrito boa parte pra mim mesmo, então resolvi publicar.

Espero que essa carta faça você refletir e se inspirar a escrever sua própria carta do seu eu futuro. E espero que a sua carta te ajude a direcionar um excelente ano de 2021 para você.

Boa leitura. :)


01 de Janeiro de 2022

Querido Hugo,

2021 foi um ano muito bom para ti. Não porque bateste as metas que tinhas pensado, mas porque ficaste satisfeito com as experiências que tiveste e com as realizações que alcançaste.

Lembras daquele almoço com a família em dezembro de 2020? Vocês usaram aqueles cartões da The School of Life que tu tinhas comprado, aqueles que ajudam a ter conversas profundas e significativas. As conversas foram excelentes, foi um momento mágico! Pois é, tiveste mais disso em 2021. Te sentiste ainda mais conectado com as pessoas que te conhecem desde que nasceste.

Vocês riram juntos, choraram juntos e conheceram um pouco mais um do outro. Vocês se sentiram mais próximos. Não só porque lembraram das histórias que já tinham vivido muitos anos atrás, mas porque puderam compartilhar um pouco mais de quem vocês são hoje, além do que já foram no passado.

Falando de família, não tem como não falar da Mamãe e do Igor (meu irmão). O novo projeto profissional da Mamãe decolou em 2021! Ela teve vários desafios? Sim. Mas foi aquele tipo de demanda de trabalho que te faz crescer, não apenas se sentir "apequenado". É lindo ver a Mamãe com tanto propósito de vida! É engrandecedor ser capaz de vê-la como uma pessoa, além de Mãe. Ficaste muito feliz de poder ter ajudado ela nessa jornada, nesse novo sonho dela. Ela desenvolveu ainda mais sua autoconfiança, continuou trazendo bem-estar para os outros através do seu trabalho, e pôde aplicar ainda mais o seu toque especial de humanidade nas relações do dia a dia.

E o Igor... lembra que sentiste um fortalecimento na relação de irmão entre vocês no final de 2020 enquanto estiveste em Belém? Então, em 2021 vocês se aproximaram ainda mais. Vocês tiveram várias conversas ao longo do ano, tanto juntos presencialmente nas tuas visitas, quanto distantes pela internet. Ele em Belém, tu em São Paulo.

Nas vezes que viajaste para Belém, vocês repetiram aquele passeio de bicicleta para a praça Brasil, e tomaram aquele guaraná no meio do passeio, sentados na grama da praça. Criaram novos passeios também, vocês pedalaram até o parque do Utinga! Lá vocês pararam e ficaram mais de hora conversando sobre a vida, compartilhando experiências, "filosofando" e debatendo ideias e conceitos que vocês apreciam. Aquelas conversas que parecem que não tem sentido, mas que vocês gostam. Outras pessoas ficariam irritadas em ficar ouvindo essas conversas, então talvez isso seja algo especial só entre vocês dois. Foi gostoso descobrir novos assuntos de interesse comum para compartilhar nessa etapa da vida de vocês.

Com o Papai, vocês leram juntos alguns capítulos do livro que deste para ele em 2020, o "Grandes pensadores". Em 2021, deste outro livro para ele também, aquele livro do sabático que usa psicologia positiva. Talvez o livro tenha inspirado ele. Percebeste que ele continuou caminhando para uma versão melhor dele. Uma pessoa cada vez melhor para ele e para os outros. Teve também momentos de conversas legais entre ele, tu e o Igor. Conversas que em 2020 aprendeste a chamar de "conversas do eu profundo", naquele curso de "Como ter melhores conversas", da The School of Life.

Rolou também aquela "live" com a família toda que tu tinhas planejado. Lembraste que tem como estar mais próximo da família, mesmo estando fisicamente distante. Teu maior aprendizado foi: o que o faz a diferença na proximidade entre as pessoas não é a distância, mas sim a atitude. Separar tempo, energia e dedicação para organizar uma conversa diferente por videoconferência com a família inteira... isso pode trazer mais proximidade do que todo mundo almoçando juntos na mesma mesa, mas cada um olhando para seu celular e a mente voando para outro lugar.

Conseguiste aplicar teu novo conhecimento sobre felicidade, aquele do modelo PERMA da psicologia positiva. A ideia de se sentir feliz vivendo os relacionamentos com as pessoas que nós amamos. Refletiste sobre a diferença entre ter relacionamentos e viver relacionamentos.

Te lembraste como é paradoxal que justamente algumas das pessoas que mais amamos (nossos pais, irmãos e família) são aquelas pessoas com quem menos passamos tempo na vida adulta. Porém, conseguiste vencer um pouco esse paradoxo, colocando ação onde antes só havia desejo. Vocês passaram mais tempo de qualidade juntos.

Definitivamente foi um ano de família!

Mas no campo dos relacionamentos, você foi além disso. Teve também amigos.

Enquanto tu pensavas sobre tuas metas, no começo de 2021, tu tiveste a lembrança daquele almoço de "open house" no novo apartamento do Tiago, que rolou no ano anterior. Quando lembraste isso, veio aquele calor no peito, que te sinalizou que estar com ele naquele dia foi importante pra ti. Depois te lembraste também das mensagens que trocaste com o Boca por Whatsapp, ele te enviando músicas dos tempos em que vocês moravam juntos. Lembraste dos textos e áudios com a galera do smarketing da Ptec. Das conversas recorrentes com o Albino. E de tantos outros velhos e novos amigos. Tu lembraste da importância que as amizades tem pra ti, e foste além da lembrança. Aconteceram mais almoços e jantares, mais video calls, mais risadas e mais momentos juntos. Teve até uma vez que levaste aqueles cartões da The School of Life, que ajudam a ter conversas mais significativas. Funcionou com amigos também.

E o que dizer do teu casamento, da convivência e do amor com a Ana? Só de pensar nisso, já cai uma pequena lágrima de felicidade dos meus olhos agora. Parece inclusive que conseguiste desenvolver um pouquinho mais a gratidão, parabéns!

Se fosse saudável ter alguém que significa tudo para ti, essa pessoa seria a Ana. Foi com ela que continuaste descobrindo e compartilhando cada pedaço novo da tua existência e do teu aprendizado.

Ela continuou te inspirando. Vocês continuaram fazendo várias refeições veganas. Mas além disso, ela também te surpreendeu com novos comportamentos. Ela começou a ler ainda mais livros que não são de romance! Isso te trouxe felicidade e orgulho. Felicidade porque tu viste como ela estava curiosa e bem com essas leituras. Orgulhoso porque conseguiste ver um pouquinho de ti nela. Isso te fez acreditar que ela também aprende contigo, assim como tens aprendido tanto com ela. Que amor! Que sorte na vida que tiveste!

Se fosse "só" por isso, o teu ano já teria sido excelente. Mas acreditas que ainda teve mais!?

Tuas leituras, reflexões e desenvolvimento humano continuaram, fruto da sede que desenvolveste no sabático. Finalizaste a pós-graduação de psicologia positiva e te sentiste muito realizado com o TCC. As reflexões que fizeste transbordaram constantemente para o teu blog. Te sentiste um pouquinho mais sábio com cada texto escrito e o feedback que vinha dele. Essa sensação de mais alguns pequenos passos em direção a sabedoria te fez muito bem! E faz total sentido, já que aprendeste com o VIA que a tua principal virtude é a sabedoria. Foi autoconhecimento gerando bem-estar "na veia"!

Tua prazer em programar te levou também a explorar mais o Elixir. A Elixir Radar teve um ano muito bom! Conseguiste fechar o ano financeiramente no positivo, o que me possibilita agora em 2022 continuar essa jornada. O melhor? Foi com muito gosto! Teve um pouco de estresse? Sim. Mas aquele tipo de stress que te move. Enquanto tu te sentia estressado, veio a lembrança daquela curva de estresse do Daniel Goleman, que nem todo estresse é ruim. Pois é, em 2021 voltaste a "aplicar estresse" dentro dos teus objetivos como empreendedor, e te sentiste muito bem na jornada.

Hoje com o benefício de poder olhar para trás, dá para tirar um aprendizado muito importante. Tuas novas realizações no mundo do trabalho te fizeram lembrar que não precisas lastrear teu senso de segurança no que tens acumulado de economias. Tua segurança mais verdadeira vem no que tens dentro de ti e das relações que construíste ao longo da vida. Do teu conhecimento, tuas atitudes, tua família, teus amigos e teus parceiros de trabalho. Terminaste o ano acreditando um pouquinho mais que se tu tivesses que "começar do zero", conseguirias ficar bem novamente. Podes te sentir seguro e livre, não pelo que tens, mas pelo que és.

Ah, sobre aquela história de perder mais um pouco de peso, conseguiste chegar aos 72 Kg. A motivação original (teórica) era sobre ter uma saúde física boa, e usar o IMC como indicador para isso. Bom, chegaste no número, mas ainda sim não pareces estar satisfeito. Então fica a pergunta: "quando vai ser o suficiente?". Pelo menos essa pergunta não te deixa mais assombrado ou ansioso. Agora ela te ajuda a jogar luz sobre uma parte da tua vida que parece ainda ter bastante oportunidade para descobrires a verdade.

Para finalizar, lembra daquela ideia de andar mais de bicicleta? Rolou sim! Andar de bicicleta voltou a ser uma atividade de lazer individual e também em casal. Foi bom para te lembrares que andar de bicicleta tem muitos significados pra ti: saúde, paz, diversão, desafio e liberdade. Também para ter aquele tipo de situação onde se aproveita os pequenos prazeres da vida: aquela sensação aventureira de velocidade e o prazer do vento no rosto. Pensaste: "como eu tinha deixado de fazer algo que me deixa bem em tantas dimensões?".

Teus passeios de bicicleta te lembraram também da metáfora sobre equilíbrio, aquela que leste na Vida Simples. Na bicicleta não tem como se equilibrar se tu estiveres parado. Na vida é a mesma coisa, para ter equilíbrio tu precisas estar se movimentando.

Acho até que Aristóteles falava algo assim sobre equilíbrio. Se me lembro bem, ele dizia que para ser feliz, precisa ser virtuoso. E a virtude está no equilíbrio entre dois extremos. Por exemplo, na virtude da coragem, se você tiver em excesso, é imprudência, se tiver em falta, é covardia.

Então na vida é importante ter equilíbrio, assim como na bicicleta. E 2021 foi um ano de equilíbrio, sabedoria e felicidade pra ti e para as pessoas ao teu redor.

Parabéns pelo que conseguiste. E gratidão por aquilo que aconteceu.

Com amor,

-- Hugo Baraúna


Agradeço às pessoas que me motivaram e me ajudaram a fazer com que esse texto pudesse expressar meus pensamentos de forma mais clara. Minha esposa, Ana Raquel. Minha Mãe, Lilian Pessoa. Minha tia, Lenice Pessoa. Meus amigos e amigas, Lucas Oliva e Camila Ferreira.